28 de jun de 2010

Se divertindo pela copa!

Brasil começou bem a copa, mas o jogo contra Portugal não foi nada animador!



Enquanto isso, nós nos divertimos a cada jogo! Essa é a segunda Copa da vida do Yuri. A primeira, em 2006, ele era bebê ainda! Na escola estão ensinando sobre a copa aos alunos, então ele fica todo empolgado! A Copa do mundo me traz ótimas recordações do tempo em que ainda morava na casa da minha tia. Era uma festa só, pois desde 1994 a rua inteira se mobiliza pra participar de um concurso chamado "Minha rua é louca pela Copa do Mundo", então era, e ainda é, aquela animação. Meu primo fazia os desenhos e lá íamos todos da rua pintar o chão, as calçadas, os muros... Era a única época em que eu podia ficar até tarde da noite fora! Rsrs. Por isso eu amava! E o melhor é que sempre ganhamos! Atualmente eu não moro mais nessa rua, mas moro bem pertinho, por isso tô sempre por lá conferindo a arrumação!! :D


Essa é a prima Raquel. A foto foi tirada no dia da eleição da Rua mais enfeitada para a copa! Dia do primeiro jogo do Brasil. Detalhe: minha ex rua sempre ganha! Reparem na bicicletinha. Ele me fez enfeitar de verde e amarelo!




Almoço na casa da Michele no segundo jogo do Brasil. Se divertindo muito com os coleguinhas. Esse é o Eduardo, filho de uma amiga.



Vamos lá Brasil. Traz esse hexa pra gente!!!!!

14 de jun de 2010

Dia dos namorados!

Depois que se tem um filho, não dá mais pra ter uma vida normal com o marido. Quer queira, quer não, o casamento acaba ficando um pouco em segundo plano, mesmo que por apenas um período, pois uma criança precisa de constantes cuidados e atenção. E é aí que mora o perigo, pois muitos maridos não entendem, não aceitam que o casamento passe por esse período de esfriamento e acabam optando pela separação. Meu filho tem 4 anos. Engravidei após apenas 1 ano de casada. Não foi planejado, mas ficamos muito felizes. Acho que o pior já passou. Lembro que eu ouvia muito o Wilson reclamando da falta de tempo pra ele, da falta de tempo pra namorar, pra sair sozinhos como antes... Mas soubemos levar. Hoje em dia, ainda penamos um pouco com a falta de alguém pra ficar com o Yuri quando queremos sair, seja pra passear, namorar um pouco a sós. Minha mãe mora longe, minha vó mais ainda e a mãe dele já fica com o Yuri à tarde durante a semana, então não gostamos de abusar dela. Mas nós damos nosso jeitinho, vamos sempre a um restaurante que tenha parquinho, onde o Yuri se acaba de brincar e nós podemos conversar com calma. O dia dos namorados foi sábado, não pudemos sair sozinhos, mas mesmo assim não deixou de ser especial. Passeamos com o Yuri mesmo. E foi muito bom.
Acredito que quando há amor, os problemas se tornam muito pequenos. Agradeço a você, amor, por ter tanta paciência duranta essa fase de mudanças pelas quais passamos com a chegada do nosso filhote, mas, principalmente, por nunca ter deixado a chama desse amor se apagar.

Amo você!



E pra vc, um texto que escrevi especialmente pro blog www.confrur.blogspot.com:


Amar pode, sim, dar certo!

“Não acabarão nunca com o amor, nem as rusgas, nem a distância. Está provado, pensado, verificado. Aqui levanto solene minha estrofe de mil dedos e faço o juramento: Amo firme, fiel e verdadeiramente”.
Vladimir Maiakóvski



Sempre fui uma romântica incorrigível. E como toda romântica que se preza, acreditei durante toda minha vida que em algum momento de minha existência encontraria um amor. Mas não um amor qualquer, um amor verdadeiro, pra vida toda. Sim, eu sonhava com um príncipe que chegaria montado em um cavalo, não necessariamente branco, mas que daria um final feliz à minha história.

O meu príncipe não veio montado em um cavalo, ele era mais desprovido financeiramente que a maioria dos príncipes, por esse motivo, utilizava uma bicicleta para me visitar. E até hoje, não vivemos um conto de fadas, não moramos em nenhum castelo, mas o amor, ah o amor... esse é real. É ele que nos faz superar as dificuldades e os obstáculos que teimam em aparecer no meio do caminho. Por que se fosse uma paixão, ou apenas uma simples atração, não resistiria a tantas tempestades que já assolaram nosso relacionamento.

É nesse amor que eu acredito. O amor que “tudo sofre, tudo crê, tudo suporta, tudo espera”. Sofro quando está ausente, creio que sou amada, suporto seus defeitos, espero por dias melhores. Dias que só poderão ser realmente melhores se forem vividos ao lado dele, que me ensinou que o amor pode dar certo, principalmente quando não se espera que o outro seja perfeito e se entende que os defeitos fazem parte do cardápio do amor. Os anos de convivência me fizeram perceber que exigir a perfeição é impossível, mas conviver e saber lidar com as pedras que surgem e que sempre surgirão pelo caminho é a lógica para se conservar um grande amor.

A história ainda não chegou ao fim. Há um longo caminho a ser percorrido ainda. Mas os dias têm sido bem mais felizes, sim, desde o dia em que econtrei o amor que eu tanto ansiei.

7 de jun de 2010

A mamadeira...

Eu sempre achei meu filhote precoce e inteligente! (Que mãe não acha, hem? rsrs). Ele andou aos 10 meses, parou de fazer xixi na cama completamente e usar fraldas descartáveis aos 2 anos, sempre aprendeu tudo muito rápido. Apenas pra falar é que demorou um pouquinho, mas agora fala pelos cotovelos!!! A única coisa de bebê que ele ainda usa é a mamadeira. Eu já lutei pra ele largar a dita cuja, comprei vários copinhos coloridos, com canudos, já disse que ele não é mais nenem, que já é um rapaz e precisa deixar a mamadeira ao que ele responde que é nenem sim! Eu ameacei jogar as mamadeiras fora várias vezes, mas ele faz logo cara de choro e a besta já fica com pena. (Mãe é mãe...).
A verdade é que eu mesma tenho resistido a descartar as mamadeiras, porque justamente é a única coisa de bebê que ele ainda tem e eu sei que quando ele as largar já será mesmo uma criança. E o momento da mamadeira pra ele é sagrado, pois é quando ele diz: -Mãe, deita comigo? Sempre à tardinha, quando chego do trabalho. Aí é o nosso momento, né? Ele deita no meu colo no sofá e assistimos À TV, enquanto ele bebe seu suco de cajú. Ele alisa meu braço, eu acarinho os cabelos... Todo dia é esse ritual.
Sei que a Super Nanny diria: É você quem ainda o trata como bebê. Ele já vai fazer 5 anos, não pode mais usar mamdeira, blá blá blá!!! Ai, ai. Uma hora eu tomo coragem e dou fim nas mamadeiras e ele vai choramingar um tempinho, mas depois acostuma. Tomara!! :D

2 de jun de 2010

Frio bom!

Imagem disponível em: www.oglobo.globo.com/fotos

Nada como uma queda de temperatura pra unir mais a família, né? Pois esses dias está bem friinho aqui na cidade, então aproveitamos pra dormir os 3 bem agarradinhos. Eu sempre deito o Yuri pra dormir às 9:00 pra que ele acorde cedo e disposto no outro dia pra ir à aula. E não deito mais com ele como fazia antes. Ele vai pro quarto, deita, bola pra lá, bola pra cá, dá vontade de ir no banheiro, dá sede, levanta umas 3 vezes, é ameaçado de peia umas 400, até que, finalmente, dorme. Mas, com esse frio, deu pena de deixar ele dormir só, então o marido e eu resolvemos fazer essa boa ação e deixar ele dormir na nossa cama. rsrs. De vez em quando, não tem problema, né? E é bom demais!

Eu sempre fiquei com medo de o Yuri dar trabalho pra dormir só, na própria cama, mas, graças a Deus, ele sempre foi um menino "adaptável". Sempre dormiu bem, tanto na rede, no berço, na cama. Não tínha que ficar embalando ele na rede a noite toda. ( Tem bebês que, quando a rede pára, acordam, não é?). Também nunca tive que dar palmadinha no bumbum pra poder dormir, ou sacolejar ele no colo até que ele ficasse tonto e caísse no sono. kkkkkk. Quando compramos a cama, achei que teria trabalho, mas me enganei. Eu deitava com ele na cama dele e, quando ele dormia, eu saia. Até que resolvemos que já era hora de ele dormir só mesmo. E tem dado certo. Acontece que ele dorme só, mas na nossa cama, depois o transferimos para a cama dele (as camas são no mesmo quarto). E tem mais: De madrugada, ele pula pra nossa cama novamente. Hehehe! Como eu tenho um sono pesado, e o pai sai de baixo, nunca o levamos de volta para sua cama. Mas eu acho que pra idade dele, tá de bom tamanho ele já aceitar a idéia de ter que dormir na cama. Sei de crianças que dormem na cama dos pais e quando são levadas para a própria cama, acordam e abrem o berreiro, e com o Yuri não é assim. A verdade é que tivemos sorte mesmo, de ele não ser muito exigente nessa parte! Ainda bem, né??


LinkWithin

Related Posts with Thumbnails